2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

Sem espaço para otimismo na educação

Nosso sistema educacional não está respondendo às necessidades do país. Por ser desigual e excludente, ele projeta para o futuro as enormes desigualdades na distribuição de renda que temos hoje

Desde o final do período militar até meados desta década muita coisa mudou na educação brasileira. As taxas de conclusão dos diferentes níveis educacionais mais do que dobraram; a porcentagem de adultos analfabetos caiu para menos do que a metade; o Brasil aumentou muito o número de profissionais de nível superior formados a cada ano. São dados realmente positivos. Mas será que eles oferecem espaço para algum otimismo?

Infelizmente, a resposta é negativa. Como o mundo se torna cada vez mais complexo, quer para seu entendimento, quer para o exercício de uma atividade profissional, ainda que os indicadores educacionais brasileiros tenham evoluído positivamente, essa evolução não foi suficiente para acompanhar o aumento da complexidade da vida e do trabalho. Consequentemente, de um lado, o país não está garantindo a todas as pessoas a educação exigida para o pleno exercício da cidadania e, de outro, não forma os quadros intelectuais e profissionais necessários para assegurar nossa independência e soberania diante dos demais países.

Uma comparação com o que ocorre no Brasil e nos outros países justifica o que foi afirmado e mostra os aspectos muito limitantes da educação nacional. Vejamos, inicialmente, o analfabetismo. Por volta de 1985, o Brasil era, segundo dados disponibilizados pela Unesco,1 o terceiro país sul-americano com maior proporção de analfabetos na população adulta, à frente apenas da Guiana e da Bolívia. Atualmente, esta nos ultrapassou e deixou o país em segundo. Ou seja, embora tenhamos evoluído nas últimas décadas, não o fizemos com suficiente rapidez e acabamos piorando nossa posição relativa.

Quanto à competitividade e à nossa possibilidade de relacionamento soberano com outros países, continuamos na mesma situação em que estávamos há algumas décadas. Embora tenhamos aumentado muito o número de matrículas no ensino superior entre 1985 e 2015, os demais países fizeram o mesmo, inclusive os da América do Sul: Chile, Colômbia e Paraguai cresceram, proporcionalmente, mais do que nós, e a Venezuela, praticamente o mesmo tanto. Como consequência, a chance que um jovem se matricule no ensino superior no Brasil é significativamente menor do que na média dos países sul-americanos. Assim, se estávamos em uma posição vulnerável em relação aos vizinhos da mesma região geopolítica, não saímos dela.

Leia mais: Le Monde Diplomatique

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador de visitas

Coluna

GEOPOLÍTICA DE UMA NAÇÃO

GEOPOLÍTICA DE UMA NAÇÃO

O que os brasileiros precisam para que a qualidade de vida atinja a maioria? Essa é uma questão antiga que teve diversas propostas desde o “famoso” Barão de Rio Branco. Mas atualmente passado mais de um século dos primeiros projetos de formação da grande nação, nos vemos sem nenhum projeto que faça...

Direita X Esquerda

Direita X Esquerda

O campo político é formado por uma variedade de posicionamentos que representam interesses diversos, que não se resumem as posições da esquerda ou da direita, estes por sua vez se aglutinam em alinhamentos que podemos distribuir em três dimensões clássicas. A distribuição dos alinhamentos políticos...