2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

Protesto serial, por Janderson Lacerda

Era um tempo difícil. Os jornais fumegavam, enquanto o país convulsionava em uma crise sem fim!


O poder legislativo nadava em um lamaçal fétido – repreendido por um palhaço. Enquanto o executivo representava o escárnio e a desesperança. O judiciário partidarizado reproduzia a imoralidade e os maus costumes de uma sociedade sem lei para todos.

Diante de tantos fatos negativos, a população brasileira assistia a tudo em silêncio. O tino das panelas deu lugar ao ronco dos estômagos. Incrédulo o povo marchava rumo ao precipício.

A gota d'água foi não ter água para cozinhar. O gás de cozinha deu lugar à lenha e o trabalho escravo foi regularizado. A violência urbana atingiu seu ponto máximo; poucos transitavam pelas ruas após as 18h.

A lista de problemas parecia não terminar. As empresas prestavam maus serviços, porque possuíam a certeza da impunidade. Até que um determinado grupo (constituído por 80% de homens brancos) decidiu abandonar a passividade e erguer uma bandeira para reivindicar seus direitos.

A chamada para manifestação era pública, mas, apenas, um seleto grupo, abraçou a causa. O protesto foi marcado para zona sul de São Paulo; o intuito era marchar até a zona oeste. Os manifestantes, munidos com o “Kit protesto”, (Camisetas e bandeiras do Brasil), começaram a caminhar pelas calçadas da cidade. Alguns ensaiavam palavras de ordem. Outros andavam em silêncio e com semblante fechado. Aos poucos, os primeiros cartazes e faixas foram levantados. As principais frases: “A gente não quer só comida! Dignidade e Respeito já!” Eram, também, as mais frequentes...

Até que de repente, os manifestantes param diante de um arranha-céu imponente e todo espelhado. Os cartazes são erguidos com maior disposição e um clima de tensão toma conta da região. A polícia militar acompanha atenta, mas sem exercer o uso da força. Os jornalistas tentam capturar a melhor imagem, ou a declaração mais impactante.

Por um minuto o silêncio toma conta do protesto. Uma pausa e logo em seguida, ouve-se assobios e um clamor unificado – “Netflix golpista”!

A multidão alvoroçada tenta invadir o prédio aos gritos de “Killer of serial” (Assassino de série!). A polícia militar, aos poucos e sem violência, afasta os manifestantes.

Um senhor de cabelos grisalhos, alto, pele clara, mesmo no meio da balbúrdia, aceita conversar com um repórter:

“Nosso movimento é pacífico, mas queremos dizer que não aceitaremos esta situação. Onde está a justiça”?

Uma mulher eufórica aproxima-se e toma o microfone do jornalista que atônito só tem tempo para ouvir:

“Contratamos o serviço de streaming e é inadmissível encerrar uma série sem aviso prévio. Ora o que esta empresa pensa que somos”?

O senhor de cabelos grisalhos interrompe a mulher e continua: “quantos assinantes ficaram órfãos agora? Isso é um verdadeiro golpe contra os consumidores! Que história é essa de que não haverá a segunda temporada da série? Por acaso alguém foi consultado”?

A multidão, impulsionada pela ira, começa a vociferar em coro, ocultando a voz do senhor: “Killer of serial,  Killer of serial, Killer of serial”!

 

Jornal GGN

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador de visitas

Coluna

Santa bala, por Janderson Lacerda

Na guerra santa que vivemos no Brasil os MOROlistas (versão personificada dos moralistas) é quem ditarão as regras do comportamento social que deve ser cultivado na República da ordem e progresso; saudações positivistas ao filósofo Miguel Lemos! Foi-se o tempo em que as balas eram ofertadas às...

PARTIDO NOVO NO SISTEMA POLÍTICO VELHO, por Herbert Schützer

Estamos vivendo o momento do nascimento de um novo partido político no já recheado sistema partidário brasileiro. Sabemos que um novo partido não significa nova política, uma vez que não é um partido o determinante num sistema multipartidário. Além disso, o sistema partidário brasileiro, segunda a...