2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

Os Sertões tem que ser lido todos os dias, enquanto persistir a situação dos pobres brasileiros

Os Sertões tem que ser lido todos os dias, enquanto persistir a situação dos pobres brasileiros

Abertura da Flip mistura música e literatura ao ilustrar a crueldade de 'Os Sertões' que se mantém na sociedade brasileira

A 17ª Festa Literária de Paraty (Flip) começou nesta quarta-feira bem ao estilo de seu homenageado, Euclides da Cunha: densa, dura e desbravadora de linguagens. Música e literatura misturaram-se em uma noite em que Walnice Nogueira Galvão, ensaísta e crítica literária, brindou o público com todos os seus conhecimentos de décadas da obra euclidiana. "Euclides viu de perto, pela primeira vez, o povo brasileiro. Viu que o povo brasileiro é mestiço, messiânico, analfabeto, e não os brancos ricos do Rio de Janeiro", afirmou, ao referir-se a Os Sertões durante uma conferência de mais de uma hora, ante uma plateia majoritariamente branca.

A atualidade da obra que narra a Guerra de Canudos (1896-1897) será debatida até este domingo (14) por 33 intelectuais —sendo 17 mulheres— de 10 nacionalidades, em áreas que vão da sociologia à fotografia e abordando temas como raça, gênero e pós-colonialismo. Os temas têm tudo a ver com o livro. "Os Sertões é uma colcha de retalhos de muitas outras narrativas", explicou Galvão, ao lembrar que, ainda que esconda o fato hermeticamente em sua obra-prima, o autor passou apenas três semanas em Canudos e valeu-se, em grande medida, do testemunho de terceiros para construir seu relato.

Euclides debruçou-se sobre o massacre de Canudos ao perceber a desonestidade dos relatos oficiais que publicavam-se à época. "Não foi Trump quem inventou as fake news. Os repórteres que cobriram Canudos eram militares, muitos deles combatentes, e publicavam notícias falsas sobre o suposto perigo que aquelas pessoas representavam", explicou a especialista. O próprio Euclides, no entanto, vinha de formação militar, o que supôs um conflito que, para Galvão, também ficou impresso no livro. "O leitor pode acompanhar na obra a tensão e o sofrimento de quem a escreve. Ele acreditava verdadeiramente em uma instituição que agora matava o povo que deveria proteger".

A especialista também compartilhou com o público detalhes curiosos do escritor. Os Sertões, publicado em 1902, bateu um recorde brasileiro à época ao ganhar três edições nos três primeiros anos de publicação. Isso deu rédea solta, de acordo com Galvão, ao "transtorno obsessivo-compulsivo emendador" de Euclides. De acordo com a especialista, durante esse período, o escritor apagou, uma por uma, cerca de mil "vírgulas vagabundas" da primeira edição. 

Leia mais: El Pais Brasil

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador gratuito de visitas

Coluna

A Era da Incoerência, por Herbert Schützer

Os tempos atuais desconstroem séculos de evolução do pensamento liberal que inúmeros iluministas entre outros pensadores procuraram refletir para sedimentar a ordem sucessora do obscurantismo medieval.  Aproveito para parafrasear o grande historiado Eric Hobsbawn, marcando como “Era” os tempos...

ÁFRICA SUBSAARIANA: ARENA INTERNACIONAL

O atual cenário geopolítico da região subsaariana é pautado por disputas entre as potências centrais e médias na busca das vantagens econômicas, a fim de garantir as riquezas naturais subsaarianas. No atual cenário de disputas geopolíticas em palcos africanos, destacam-se ações de antigos Estados...