2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

O que esperar do encontro entre Trump e Putin

Aguardada reunião entre presidentes da Rússia e dos EUA ocorre sob a sombra de suposta ingerência de Moscou em eleições americanas. Usada como modelo, decepcionante cúpula Trump-Kim mina esperança de resultados.

Numa recente coletiva de imprensa, o embaixador de Washington na Rússia, Jon Huntsman, estava claramente tentando direcionar as expectativas sobre a ansiosamente aguardada cúpula entre os presidentes americano, Donald Trump, e russo, Vladimir Putin, marcada para esta segunda-feira (16/07) em Helsinque, na Finlândia.

Indagado se contava que o encontro resultasse em comprometimentos ou acordos concretos, ele rebateu: "Acho que o fato de estarmos tendo uma cúpula deste nível, neste momento da história, já é um resultado, em si."

Em seguida, o diplomata citou a recente reunião entre Trump e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, em Cingapura, como possível modelo para as próximas conversas entre os chefes da Casa Branca e do Kremlin.

O governo americano alega que aquilo que denomina "mudança de clima", após o encontro Trump-Kim, trouxe a possibilidade de uma redução das tensões com Pyongyang, o que deve ser visto como um sucesso. Entretanto, diversos observadores externos discordam de tal interpretação.

Críticos apontam ter sido o próprio Trump, com sua retórica belicosa, a exacerbar as tensões com a Coreia do Norte, apenas para organizar uma cúpula com o fim de dissipar a crise criada por ele mesmo.

Eles argumentam, ainda, que o tão aclamado encontro pouco mais produziu do que uma vaga declaração da parte de Kim, sem qualquer compromisso específico quanto à alardeada meta da administração Trump, de uma desnuclearização total daquele país asiático. Além disso, desde então Pyongyang absteve-se de qualquer comprometimento no sentido dessa meta.

Considerando resultados tão magros, o fato de a Casa Branca anunciar que o encontro de Cingapura possa servir de modelo para a reunião com Putin em Helsinque não desperta grande entusiasmo por um evento de tão alto nível, observa Christine Wormuth, que foi subsecretária de Política de Defesa do ex-presidente americano Barack Obama. "Não acho que seja exagerado esperar de um encontro assim resultados mais concretos do que apenas o próprio encontro."

Leia mais; DW Brasil

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador de visitas

Coluna

GEOPOLÍTICA DE UMA NAÇÃO

GEOPOLÍTICA DE UMA NAÇÃO

O que os brasileiros precisam para que a qualidade de vida atinja a maioria? Essa é uma questão antiga que teve diversas propostas desde o “famoso” Barão de Rio Branco. Mas atualmente passado mais de um século dos primeiros projetos de formação da grande nação, nos vemos sem nenhum projeto que faça...

Direita X Esquerda

Direita X Esquerda

O campo político é formado por uma variedade de posicionamentos que representam interesses diversos, que não se resumem as posições da esquerda ou da direita, estes por sua vez se aglutinam em alinhamentos que podemos distribuir em três dimensões clássicas. A distribuição dos alinhamentos políticos...