2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

Fui agredido em sala de aula: 3 professores contam histórias de violência, trauma e decepção

Fui agredido em sala de aula: 3 professores contam histórias de violência, trauma e decepção

"Um filme de terror". É assim que o professor Thiago dos Santos Conceição, de 32 anos, descreve os momentos de tensão que viveu no dia 18 de setembro de 2018, quando um grupo de alunos do 9º ano do CIEP Municipal Mestre Marçal, em Rio das Ostras (RJ), começou a hostilizá-lo durante uma aula de Língua Portuguesa.

"Tive muito medo. Pensei que fosse morrer", admite o docente que, por medida de segurança, se viu obrigado a pedir transferência para outro município.

Thiago não é o primeiro a sofrer violência física ou verbal em sala de aula. E, a julgar pelos números da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), ele também não será o último.

Segundo os dados mais recentes, de 2013, o Brasil lidera o ranking de violência escolar: 12,5% dos docentes brasileiros relataram ser vítimas de ameaças, xingamentos ou agressões ao menos uma vez por semana. A média mundial da organização que reúne 34 países é de 3,4%.

Em maio, uma professora de 59 anos foi agredida a tapas pela mãe de um aluno dentro da E. E. Oscar Pereira, em Porto Alegre (RS). Um mês depois, oito estudantes arremessaram mesas e cadeiras em uma professora da E. E. Maria de Lourdes Teixeira, em São Paulo (SP).

BBC Brasil

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador gratuito de visitas

Coluna

O negacionismo histórico como arma política

Está em curso no Brasil um revisionismo histórico com base na negação e na manipulação de fatos. Ele é promovido por seguidores da "nova direita" e pelo próprio governo Bolsonaro. E vai além do "nazismo de esquerda." Há um revisionismo histórico, com fins políticos, em curso no Brasil. Ele é...

A prisão dos supostos assassinos de Marielle é só um cala a boca para a sociedade

Para Alves, morte da vereadora está ligado à milícia, um grupo que continua crescendo no Brasil, “intocáveis” que mantêm estrutura política e econômica. Em sua visão, identificação dos mandantes é decisiva para mostrar poder capilar Leia mais: El Pais Brasil