Schützer Educacional - Pós, Licenciaturas, Extensões, Profissionalizantes

Discurso pré-histórico

Bolsonaro! Bolsonaro! Bolsonaro! — Ió, ió, ió, ió!

Por Janderson Lacerda

Não sabemos, ao certo, quando a humanidade começou a falar. Alguns cientistas defendem a hipótese de que a linguagem não teve um início único; isto é, bem determinado no tempo. Outros especulam que o homem primitivo começou a formular as primeiras palavras há cerca de 1,8 milhão de anos. Antes disso, os grunhidos eram os sons emitidos por homens e mulheres  e, apenas, os: — Brrr! Grrr! Hmmm! Ihhhh! Eram ouvidos na face da terra. Com o passar do tempo o ser humano começou a ensaiar as primeiras palavras; com pouca habilidade é verdade, os bípedes que já possuíam polegares superdesenvolvidos, tentam formar as primeiras silabas:

— Bo-bo-so-na-ro; ihhhh! Grrrr! Porém sem grande sucesso; os grunhidos continuavam dominando a linguagem pré-histórica. Contudo, os homens das cavernas não desistiam:

— Bo-bo-na-ro; bron-co-na-ro; grrrr! Tentavam, tentavam pronunciar, ao menos, uma palavrinha, mas, sempre voltavam a grunhir.

Até que um dia, depois de caçar, arrastar uma dúzia de mulheres pelos cabelos, bater a cabeça até sagrar, ao deparar-se com sua própria sombra e confundi-la com um bárbaro inimigo. O homem primitivo consegue vociferar a primeira palavra; que foi seguida de muitas outras:

— Uga-buga, bobonaro; buga-uga, bostanaro; uga-buga Bolsonaro, Bolsonaro Bolsonaro!

Em êxtase centenas de homens das cavernas corriam desnorteadamente, batendo palmas (cláp-cláp, cláp-cláp!); e felizes produziram, praticamente, o primeiro discurso da história da humanidade:

— Bolsonaro! Bolsonaro! Bolsonaro! — Ió, ió, ió, ió!

Janderson Lacerda Teixeira é mestre em Política e Gestão Educacionais. Atualmente é professor universitário, além de ser escritor. É amante das letras e por coincidência, quase literária, nasceu no ABCD

 

ABCDMaior

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
visitas

Coluna

Justiça impõe hierarquia federativa a Diadema

A cidade de Diadema, por força do contexto nacional, resolveu unilateralmente na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) suspender o isolamento social para algumas atividades econômicas. Contudo, a justiça suspendeu a deliberação do prefeito, fazendo valer a decisão do Governo do Estado....

Monica De Bolle: “Hoje, dane-se o Estado mínimo, é preciso gastar e errar pelo lado do excesso”

Para a economista da Universidade Johns Hopkins, ministro Paulo Guedes está preso a dogmas ideológicos e mantém letargia para tomar decisões que afetam quem já está passando fome “E, para os defensores da calma e da serenidade, saibam: o momento é de urgência”, escreve a economista brasileira...