Schützer Educacional - Pós, Licenciaturas, Extensões, Profissionalizantes

Convenção de Genebra, 70 anos combatendo crimes de guerra

Apesar de desafios impostos por conflitos como os da Síria e do Iêmen, conjunto de tratados que visam condenar crimes de guerra e proteger civis são amplamente respeitados mundo afora.

Em 2019, sete décadas após a adoção da Convenção de Genebra, os tratados que "contêm as principais regulamentações que limitam a barbárie da guerra", segundo afirma o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), não parecem conseguir impor grandes limitações.

Nos oito anos da brutal guerra civil na Síria, as forças militares do regime, apoiadas pela Rússia, "vêm propositalmente atingindo populações e instituições civis nas áreas controladas pela oposição armada", afirma Kenneth Roth, diretor-executivo da ONG Human Rights Watch, constituindo o que ele classifica como uma "flagrante afronta à Convenção de Genebra"

No Iêmen, a coalizão liderada pela Arábia Saudita "bombardeia repetidamente alvos civis [...] atingindo funerais, mercados, mesquitas e até um ônibus escolar". Além disso, o tratamento do exército de Myanmar à minoria rohingya – descrito pela Anistia Internacional em maio como "execuções extrajudiciais, prisões arbitrárias, tortura e outros maus tratos e desaparições forçadas" – seria, em essência, uma "limpeza étnica", segundo Roth.

Esses acontecimentos, todos eles sérias violações das leis humanitárias internacionais sob as normas estabelecidas pela Convenção de Genebra, estão longe de ser os únicos exemplos que dominam as manchetes na imprensa.

Leia mais: DW Brasil

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
visitas

Coluna

Justiça impõe hierarquia federativa a Diadema

A cidade de Diadema, por força do contexto nacional, resolveu unilateralmente na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) suspender o isolamento social para algumas atividades econômicas. Contudo, a justiça suspendeu a deliberação do prefeito, fazendo valer a decisão do Governo do Estado....

Monica De Bolle: “Hoje, dane-se o Estado mínimo, é preciso gastar e errar pelo lado do excesso”

Para a economista da Universidade Johns Hopkins, ministro Paulo Guedes está preso a dogmas ideológicos e mantém letargia para tomar decisões que afetam quem já está passando fome “E, para os defensores da calma e da serenidade, saibam: o momento é de urgência”, escreve a economista brasileira...