2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

Como a China está reagindo à queda de seu velho amigo, Robert Mugabe, do Zimbábue?

Enquanto forças políticas e militares no Zimbábue se empenhavam em por fim ao interminável mandato do presidente Robert Mugabe, os chineses acompanhavam de perto o processo de remoção desse homem que muitos consideram um ditador.

Mugabe (93 anos) governou o Zimbábue por mais de trinta anos, da independência do regime colonial britânico até os dias de hoje. Quando a maioria dos países ocidentais começaram a impor sanções ao Zimbábue devido à política de expropriação de terras e abusos de direitos humanos no começo dos anos 2000, a China interveio e se tornou a mais importante aliada do presidente africano.

Com o passar dos anos, as relações entre o Zimbábue e a China se intensificaram mediante empréstimos, visitas diplomáticas e projetos de construção e investimentos. Entre 2010 e 2015, a China concedeu ao Zimbábue mais de US$ 1 bilhão em fundos emprestáveis.

Esse apoio financeiro levou o partido da oposição do Zimbábue a acusar Beijing de ajudar Mugabe a roubar bilhões do país por meio do comércio ilícito de diamantes. E, de fato, a economia do Zimbábue vem se deteriorando sob o regime desse presidente, e a corrupção é um problema sério. No início de novembro, Mugabe exonerou seu vice, Emmerson Mnangagwa, no intuído de aparentemente colocar sua própria esposa para assumir a presidência.

A situação culminou em 15 de novembro de 2017, quando os militares tomaram controle do país. Dezenas de milhares de zimbabuanos saíram às suas da capital Harare para comemorar e gritar bordões contra o governo como “Mugabe precisa ir embora” e “Não para a dinastia Mugabe”. A Frente Patriótica da União Nacional Africana do Zimbábue removeu o então presidente da liderança do partido em exercício, colocou Mnangagwa no cargo, e ameaçou mover um processo de impeachment contra Mugabe caso ele não renunciasse à presidência.

Contudo, Mugabe havia se recusado a renunciar até o dia 21 de novembro.

Leia mais Global Voices

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador de visitas

Coluna

Santa bala, por Janderson Lacerda

Na guerra santa que vivemos no Brasil os MOROlistas (versão personificada dos moralistas) é quem ditarão as regras do comportamento social que deve ser cultivado na República da ordem e progresso; saudações positivistas ao filósofo Miguel Lemos! Foi-se o tempo em que as balas eram ofertadas às...

PARTIDO NOVO NO SISTEMA POLÍTICO VELHO, por Herbert Schützer

Estamos vivendo o momento do nascimento de um novo partido político no já recheado sistema partidário brasileiro. Sabemos que um novo partido não significa nova política, uma vez que não é um partido o determinante num sistema multipartidário. Além disso, o sistema partidário brasileiro, segunda a...