2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

Brasil, foguete midiático

Brasil, foguete midiático

Em meio a queimadas na Amazônia e troca de farpas com europeus, Bolsonaro trouxe o Brasil de volta às manchetes mundo afora. Apesar de ter colocado o país no centro da atenção internacional, me recuso a agradecer-lhe.

Caros brasileiros,

será que um dia ainda vou agradecer ao presidente Jair Bolsonaro? É difícil imaginar isso, mas tenho que reconhecer que ele conseguiu o que poucos presidentes brasileiros conseguiram: colocar o Brasil no centro da atenção internacional.

Depois das queimadas na Amazônia e do debate sobre supostas atitudes colonizadoras de países europeus, todo mundo discute como salvar as florestas. Não somente na Amazônia. Ficou evidente que no mundo inteiro, seja na Europa, na África ou na Ásia, as áreas degradadas precisam de proteção e reflorestamento.

As ONGs também agradecem. "Nunca antes nesse país fomos tão valorizados por um presidente como o atual, que nos colocou em evidência, abriu espaço nas mídias pra mostrar nosso trabalho!", ironizou Caetano Scannavino, da ONG Projeto Saúde e Alegria, da Amazônia, num post recente. "Obrigado por algo que sempre tentamos mas nunca conseguimos como agora: nacionalizar a Amazônia e amazonizar o mundo!", escreveu.

DW Brasil

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador gratuito de visitas

Coluna

Trilha Sonora, por Janderson Lacerda

A trilha sonora do governo de Jair Bolsonaro e "cia limitada" seria, "Apesar de você" de Chico Buarque: "hoje é você que manda falou tá falado não tem discussão(...)", "Apesar de você amanhã há de ser outro dia" E se houvesse trilha sonora na vida real? Qual seria a sua? E se tivéssemos uma música...

A Era da Incoerência, por Herbert Schützer

Os tempos atuais desconstroem séculos de evolução do pensamento liberal que inúmeros iluministas entre outros pensadores procuraram refletir para sedimentar a ordem sucessora do obscurantismo medieval.  Aproveito para parafrasear o grande historiado Eric Hobsbawn, marcando como “Era” os tempos...