2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

Angola: Unita critica presidente de Portugal

A direção da UNITA afirma que recebeu, “escandalizada”, com “estupefação” e “desilusão”, a declaração do presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, felicitando o candidato do MPLA, partido no poder em Angola, pela vitória nas eleições gerais de quarta-feira (23).

 

“A UNITA reafirma que, até este momento, em Angola não existe nenhum Presidente da República eleito, como também ainda não existem quaisquer deputados eleitos”, lê-se no comunicado que o secretariado executivo da comissão política do maior partido angolano da oposição divulgou nesta segunda-feira (28).

Os resultados provisórios das eleições gerais de 23 de agosto, divulgados na sexta-feira pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE) angolana, apontam a vitória do MPLA, com 61% dos votos, e a eleição de João Lourenço como próximo Presidente da República de Angola, colocando a UNITA no segundo lugar, com 26,7%.

Em simultâneo, os principais partidos da oposição, UNITA e CASA-CE, já anunciaram que estão a fazer contagem paralela e que aponta, até ao momento, para resultados diferentes dos divulgados pela CNE.

No sábado, o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, felicitou João Lourenço (MPLA), numa mensagem publicada na página da Presidência na Internet.

Nas felicitações ao “Presidente eleito da República de Angola”, o chefe de Estado português sublinhou os laços fraternais que unem os dois países e os dois povos.

Também no sábado, o líder e cabeça-de-lista da UNITA às eleições gerais, Isaías Samakuva, numa declaração ao país feita em Luanda, foi perentório: “O país ainda não tem resultados eleitorais válidos. O país ainda não tem um Presidente eleito nos termos da lei”.

No comunicado de hoje, a UNITA volta a afirmar que nos dias 24 e 25 de agosto – dias seguintes à eleição – “não houve qualquer reunião dos órgãos provinciais da CNE para apurar resultados eleitorais” e que “nenhuma” dessas 18 comissões tinha iniciado os trabalhos de apuramento provisório, “nem produziu qualquer ata, nem enviou qualquer informação que pudesse servir de base para Luanda divulgar resultados”.

O partido diz que, conhecendo a “sensibilidade acrescida aos fenómenos sociais e aos valores da democracia” com que o Presidente da República Portuguesa “tem vindo a interpretar o seu mandato”, “mais escandalizados ficamos com o seu posicionamento de reconhecimento de um Presidente, numa altura em que ainda se está a proceder ao escrutínio dos votos”.

Acrescenta a UNITA que Marcelo Rebelo de Sousa “tem ao seu dispor todos os mecanismos que lhe permitem saber de toda a realidade que envolve o processo eleitoral angolano”, pelo que não entende a “forma precipitada e desavisada como o Presidente da República Portuguesa felicita um suposto Presidente Eleito de Angola”.

“Os angolanos também querem que no seu país impere o Estado de direito, pelo que a UNITA apela a todos os interessados no dossiê angolano a terem calma e paciência até que os resultados definitivos, reconhecidos por todos, sejam disponíveis. Logo que terminarem os trabalhos de apuramento que se iniciaram no dia 26 de agosto, e a CNE proclamar o presidente eleito, os angolanos todos terão a oportunidade de o felicitar. Nessa altura serão certamente bem-vindas todas as demais felicitações legítimas”, concluiu o comunicado do partido.

 

 

Africa 21 Digital

 

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador de visitas

Coluna

GEOPOLÍTICA DE UMA NAÇÃO

GEOPOLÍTICA DE UMA NAÇÃO

O que os brasileiros precisam para que a qualidade de vida atinja a maioria? Essa é uma questão antiga que teve diversas propostas desde o “famoso” Barão de Rio Branco. Mas atualmente passado mais de um século dos primeiros projetos de formação da grande nação, nos vemos sem nenhum projeto que faça...

Direita X Esquerda

Direita X Esquerda

O campo político é formado por uma variedade de posicionamentos que representam interesses diversos, que não se resumem as posições da esquerda ou da direita, estes por sua vez se aglutinam em alinhamentos que podemos distribuir em três dimensões clássicas. A distribuição dos alinhamentos políticos...