2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

A Era da Incoerência, por Herbert Schützer

Os tempos atuais desconstroem séculos de evolução do pensamento liberal que inúmeros iluministas entre outros pensadores procuraram refletir para sedimentar a ordem sucessora do obscurantismo medieval. 

Aproveito para parafrasear o grande historiado Eric Hobsbawn, marcando como “Era” os tempos do início deste século, diante do contexto contemporâneo que a sociedade liberal construiu em virtude das características sistêmicas que a organizam e que se fundam na centralidade do medo que nos aflige devido a nossa natureza.

Os tempos atuais desconstroem séculos de evolução do pensamento liberal que inúmeros iluministas entre outros pensadores procuraram refletir para sedimentar a ordem sucessora do obscurantismo medieval.

Primeiramente, cumpre lembrar que o sistema que nos organiza se embasa na premissa da liberdade de ação e para se consolidar ou naturalizar tal princípio, foi preciso elaborar um conjunto de proposições para que a organização social pudesse ter funcionalidade e credibilidade junto as sociedades que se liberalizavam e se libertavam dos antigos privilégios das sociedades fundadas nas diferenças por nascimento, pois a liberdade pressupunha a convivência entre os iguais, onde os privilégios não poderiam existir.

A garantia da vida social passou a ser um tema fundamental para que a nova ordem social pudesse evoluir e prosperar sobre os escombros das sociedades dos privilégios por natureza. Disso, as reflexões sobre como garantir a convivência entre os iguais se voltaram para o direito, que, no entendimento dos pensadores, se constituiria na pedra angular da confiança necessária a reprodução do sistema que se instalava para garantir a reprodução da subsistência.

Assim, surgiram as escolas do pensamento do direito para proporem a construção dos novos ordenamentos jurídicos, jusnaturalistas, históricos e juspositivistas se empenharam na construção de propostas jurídicas que deveriam ser implantadas nessa nova era que as sociedades construíam.

Do intenso debate nasceu a Ciência Jurídica, cuja missão era separar o juízo de fato do juízo de valor, onde o primeiro deve formular a tomada de conhecimento da realidade, para informar, comunicar uma constatação, o outro, ao contrário, pressupõe um posicionamento frente uma constatação, para influir sobre a realidade, ou seja, para que o outro pense igual. De forma a dar garantias sobre equidade da ordem social ao abandonar posições subjetivas como faziam os precedentes (BOBBIO, 1999).

A Ciência Jurídica procurou validar o direito como tal e não como deveria ser, para que a confiança entre os pares social pudesse se consolidar como norma de convivência, cuja crença garantia a reprodução dos princípios práticos e filosóficos sistêmicos. 

Leia mais: GGN

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador gratuito de visitas

Coluna

Eleições em 2020 e hábitos antigos no ABCD

Finda-se um ano e já próximo do novo ano devemos ficar atentos aos acontecimentos políticos, já que as eleições municipais marcadas para menos de um ano, tem uma importância crucial no atual contexto da bipolarização política e ideológica, que tomou conta da sociedade brasileira por esgotamento ou...

Governabilidade e corrupção no ABCD

A região foi impactada neste mês de setembro com a denúncia da Polícia Federal do mau uso do dinheiro público em São Bernardo do Campo, indiciando o prefeito por corrupção passiva e fraudes em licitações. A denúncia pode afetar a governabilidade municipal? Isso é o que interessa para o cidadão,...