Schützer Educacional - Pós, Licenciaturas, Extensões, Profissionalizantes

Trava-se a Batalha de Bouvines

27/07/2019 09:34

A Batalha de Bouvines foi um choque militar decisivo entre o exército francês e os exércitos de uma coalizão de potências europeias, e teve como data o dia 27 de Julho de 1214, tendo acontecido próximo de Bouvines, em Flandes (hoje pertencente à França), a uns 16 km ao Sudeste da cidade francesa de Lille. Os exércitos da coalizão, que tinham decidido colocar uma trava ao crescente poderio da França, eram liderados pelo excomungado imperador do Sacro Império Romano Germânico, Otón IV, por seu tio, o rei Juan Sin Tierra, por Fernando, conde de Flandes, e por outros príncipes de menor importância. O rei Felipe II da França, como comandante do exército francês, teve o apoio de Federico de Hohenstaufen, que era o rival - apoiado pelo Papa - de Otón IV para ocupar a coroa imperial. Ainda que Felipe tenha vencido a batalha graças à superioridade da cavalaria francesa e ao apoio das milícias das cidades livres francesas, ambos os exércitos sofreram milhares de baixas. Como consequência direta da batalha de Bouvines, Federico de Hohenstaufen foi coroado imperador do Sacro Império Romano Germânico com o nome de Federico II, em 1215, e a França se converteu em uma das primeiras potências da Europa.

History

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
visitas

Coluna

Justiça impõe hierarquia federativa a Diadema

A cidade de Diadema, por força do contexto nacional, resolveu unilateralmente na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) suspender o isolamento social para algumas atividades econômicas. Contudo, a justiça suspendeu a deliberação do prefeito, fazendo valer a decisão do Governo do Estado....

Monica De Bolle: “Hoje, dane-se o Estado mínimo, é preciso gastar e errar pelo lado do excesso”

Para a economista da Universidade Johns Hopkins, ministro Paulo Guedes está preso a dogmas ideológicos e mantém letargia para tomar decisões que afetam quem já está passando fome “E, para os defensores da calma e da serenidade, saibam: o momento é de urgência”, escreve a economista brasileira...