2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

Qual é o impacto da alta dos juros na dívida pública e na vida das pessoas?

08/11/2015 09:12

Em meio ao declínio de quase toda a economia real e encolhimento do PIB, o lucro dos bancos explode e bate recordes ainda superiores aos verificados nos últimos anos. Qual é a relação entre os juros altos, os mecanismos que geram dívida pública e o impressionante lucro dos bancos no Brasil?


por Maria Lucia Fattorelli

 

Sacrifícios sociais e econômicos para servir ao pagamento de juros e encargos da dívida pública têm sido uma regra no Brasil há décadas. Investigações sobre a natureza dessa dívida revelam que os elevados juros constituem, historicamente, o principal fator responsável por seu crescimento. O mais grave é que tais juros são aplicados sobre dívidas geradas por meio de diversos mecanismos meramente financeiros, sem contrapartida alguma ao país. A isso denominamos sistema da dívida.

Esse debate se torna imprescindível diante da atual crise econômica seletiva: por um lado, rigoroso ajuste fiscal com corte de gastos e de investimentos públicos, privatizações e aumento de tributos. Por outro, novo ciclo de alta dos juros, aumentando a exigência de recursos para alimentar o sistema da dívida e provocando a paralisação de setores vitais da economia. Simultaneamente, em meio ao declínio de quase toda a economia real e encolhimento do PIB, o lucro dos bancos explode e bate recordes ainda superiores aos verificados nos últimos anos.

Qual é a relação entre os juros altos, os mecanismos que geram dívida pública e o impressionante lucro dos bancos no Brasil? No presente artigo debateremos alguns desses aspectos.

 

1. Juros no Brasil – por que são tão elevados?

A política de elevadíssimos juros praticada no Brasil provoca dano às finanças públicas e à economia como um todo, e decorre de equivocada política monetária praticada pelo Banco Central do Brasil (Bacen).

Para as finanças públicas, os juros elevados têm sido historicamente o principal fator de crescimento da dívida pública brasileira interna, que já supera R$ 3,58 trilhões (julho de 2015).

Enquanto diversos países do mundo praticam taxas de juros negativas para remunerar a dívida pública, ou seja, um índice que nem sequer cobre a inflação do período, o Brasil garante atualização monetária mensal e cumulativa, baseada em índice divulgado por instituição privada1 que engloba variação cambial (que não deveria interferir na dívida interna) e expectativas inflacionárias (que nem ao menos se verificam na prática). Acima dessa atualização garantida, ainda pagamos generosos ganhos reais, o que torna os juros pagos pelo Brasil os maiores do mundo. Esse disparate não tem justificativa técnica, econômica, política ou moral.

A taxa básica de juros – Selic – é definida pelo Copom,2 influenciado pelas opiniões de representantes do mercado financeiro, convidados para reuniões convocadas pelo Bacen; ou seja, o setor que ganha com as taxas é o mesmo que dita seu patamar, em evidente conflito de interesses. A recomendação desses especialistas é adotada pelo Copom sem nenhum crivo ou debate por parte do Congresso. A taxa passa a vigorar como “lei” e ponto final. Desde as eleições de outubro de 2014, a Selic já subiu 30%, saltando de 11% para 14,25% ao ano.

Os títulos da dívida interna são vendidos por meio de leilões realizados pelo Bacen, do qual participam somente umas poucas instituições privilegiadas – os chamados dealers–, que só compram os títulos quando as taxas alcançam o patamar que desejam. É por isso que as taxas prefixadas acabam ficando ainda mais elevadas que a Selic e são as maiores do mundo.

O resultado desse fenômeno é o acelerado crescimento da dívida pública, em razão do perverso mecanismo de emitir novos títulos da dívida para pagar juros.

O novo ciclo de elevação da Selic provoca também a alta das já abusivas taxas de juros cobradas pelos bancos, afetando todos os setores da economia que dependem de crédito.

O Bacen absorve moeda dos bancos e entrega-lhes, em troca, títulos da dívida interna que rendem os maiores juros do mundo. Essa operação recebe o nome de “operação compromissada”,3 ou “operação de mercado aberto”, e pode durar de um ou alguns dias a meses. Atualmente, cerca de R$ 1 trilhão em títulos da dívida estão sendo utilizados nessas operações. O que isso significa? Que R$ 1 trilhão poderiam estar no caixa dos bancos, e estes, certamente, não iriam querer deixar esse dinheiro parado, sem render. O óbvio seria destinar esses recursos para empréstimos, aumentando a oferta, o que provocaria uma forte queda nas taxas de juros. Os bancos entrariam em competição para oferecer taxas menores, o que levaria a uma redução ainda maior nas escorchantes taxas cobradas pelo setor financeiro no Brasil. Pois bem, a atuação do Bacen impede que isso aconteça e garante aos bancos a generosa remuneração dos títulos da dívida, sem risco algum. A justificativa que tem sido dada para essa atuação é o “combate à inflação”, o que não se aplica, pois o tipo de inflação que temos no Brasil decorre do excessivo aumento do preço de tarifas4 e de alguns alimentos.5

Vivemos uma ciranda financeira no Brasil, um dos países mais ricos do mundo, onde faltam recursos para áreas essenciais como educação, saúde, saneamento básico e infraestrutura, mas não faltam recursos para os abundantes juros que tornam o país o mais lucrativo do mundo para os bancos. Em 2014 tais lucros superaram R$ 80 bilhões e no primeiro semestre de 2015 cresceram ainda mais (ver gráfico).

A crise econômica é seletiva. Não existe crise para os bancos, que se beneficiam da política monetária e contam com injustificadas benesses tributárias que precisam ser revistas.

 

2. Mecanismos que geram dívida pública no Brasil

A irrestrita liberdade para o exercício da política monetária, aliada à completa ausência de limites para os prejuízos e erros, tem permitido práticas que geram bilhões de dívida pública sem nenhum benefício ou contrapartida ao país.

Alguns exemplos caracterizam o que denominamos sistema da dívida, ou seja, a usurpação do instrumento do endividamento público. Em vez de representar ingressos para completar os recursos necessários aos investimentos estatais, o endividamento público se transformou em um sistema que continuamente subtrai e desvia recursos estatais para o setor financeiro privado, propiciando enormes lucros aos bancos.

 

2.1. Geração de dívida pública para pagar juros

A modalidade de transformar juros em capital, sobre o qual incidirão novos juros em cascata, constitui uma ilegalidade histórica do nosso endividamento público. Trata-se do anatocismo, que provoca a multiplicação da dívida por ela mesma. Essa ilegalidade tem sido agravada ao longo dos anos por causa do elevadíssimo patamar dos juros. Para não evidenciar a transformação direta de juros em capital ou a emissão de títulos para o pagamento de juros, o que caracteriza ofensa ao artigo 167, inciso III, da Constituição Federal,6 grande parte dos juros nominais estão sendo contabilizados como se fossem amortização. O resultado é a ilegal geração de dívida para pagar juros.

2.2. Prejuízo em operação de swap cambial é transformado em dívida pública

Nada menos que R$ 152 bilhões, correspondentes a resultados negativos em contratos de swap cambial negociados pelo Bacen no período de setembro de 2014 a julho de 2015, geraram dívida pública.

A necessidade dessas operações é questionável. O Bacen entende que deve atuar para conter a procura por dólares, alegando que poderia provocar inflação. Assim, oferece contratos de swap cambial, que, na prática, correspondem à garantia da variação da cotação do dólar. Isso tem provocado perda bilionária, que vem sendo transferida para a conta dos juros da dívida e, consequentemente, para seu estoque, já que os juros têm sido pagos mediante a emissão de nova dívida. Os bancos privados lucram e o país registra a dívida, apesar de não ter recebido nem um centavo sequer.

2.3. Geração de dívida pública para remunerar sobra de caixa dos bancos privados

O Bacen entende que deve restringir a base monetária, ou seja, o volume de moeda em circulação, a fim de controlar a inflação. Trata-se de teoria questionável quando comparada à realidade em diversas partes do mundo. A base monetária no Brasil é inferior a 5% do PIB. Na Europa, nos Estados Unidos, na China e no Japão, ela chega a quase 40% do PIB. E não enfrenta inflação. Aqui, acabamos emitindo dívida, que gera juros e condiciona toda a economia.

O Bacen tem utilizado quase R$ 1 trilhão em títulos da dívida pública emitidos pelo Tesouro Nacional em operações denominadas “compromissadas” para “enxugar” a base monetária. Na prática, essa operação garante a remuneração de toda a sobra de caixa dos bancos, provoca crescimento da dívida pública e impede que as taxas de juros de mercado caiam. Se os bancos sabem que podem contar com a remuneração garantida dos títulos da dívida, só emprestam ao mercado com taxas altíssimas, que chegam a ser superiores a 300% ao ano, inviabilizando o crédito no país.

2.4. Geração de dívida no Brasil para investir em dívida norte-americana

O Brasil é o quarto maior detentor de títulos da dívida norte-americana, conforme dados do Tesouro dos Estados Unidos,7 possuindo um estoque de US$ 256 bilhões (dezembro de 2014). Tal investimento não rende quase nada ao Brasil e faz parte das reservas internacionais, que totalizam US$ 372 bilhões. Não se sabe onde está aplicada a diferença de US$ 116 bilhões, pois no Brasil esse dado é considerado sigiloso.

Tais reservas foram constituídas a alto preço. Justamente quando o dólar estava em franca desvalorização, especuladores traziam bilhões ao Brasil. O Bacen passou a reter esses dólares, trocando-os por títulos da dívida pública. Essa operação significou a geração de dívida pública e enorme prejuízo ao Bacen, que remunerou os especuladores não somente com os maiores juros do mundo incidentes sobre os títulos da dívida interna, mas também a variação cambial.

2.5. Geração de dívida em razão de reclassificação estatística

Em junho, o Bacen divulgou nota8 explicando a transferência de volumes de títulos da dívida interna para a estatística da dívida externa, pois estes teriam sido adquiridos por residentes no exterior. A nota indica que “o risco cambial é suportado exclusivamente pelo investidor e credor não residente”.

Essa reclassificação foi feita em junho, porém, considerou dados retroativos, referentes a títulos de renda fixa negociados no mercado doméstico e detidos por não residentes desde o ano de 2007.

Considerando que justamente no período de 2007 até 2015 o dólar passou por forte valorização em relação ao real, tal reclassificação estatística renderá adicionalmente ao detentor de tais títulos da dívida interna o valor correspondente à variação cambial do período. Ou seja, além de obter os maiores juros do mundo que incidem sobre os títulos da dívida interna brasileira e usufruir isenção de imposto de renda sobre os rendimentos desses títulos, essa modificação estatística renderá a variação cambial aos rentistas internacionais, gerando obrigação financeira adicional ao país e um aumento da dívida pública.

2.6. Geração de dívida pública para cobrir prejuízos operacionais do Banco Central

É impressionante como os bancos privados têm sido beneficiados pela política monetária, tanto quando o dólar valoriza como quando desvaloriza. Por outro lado, o Bacen apura bilionários prejuízos operacionais, por exemplo: R$ 147,7 bilhões em 2009 e R$ 48,5 bilhões em 2010.

Até o advento da Lei de Responsabilidade Fiscal, os lucros e prejuízos do Bacen eram compensados pela própria instituição. A partir dessa lei, os prejuízos são arcados pelo Tesouro Nacional, que emite títulos da dívida pública para cobrir tais perdas. Dessa forma, todo o custo – sem limite – da equivocada política monetária do Bacen acaba gerando dívida pública.

2.7. Outros fatores que geram dívida pública sem contrapartida

Outros fatores relevantes têm impactado o crescimento da dívida externa e interna, envolvendo geração espontânea de dívidas sem documentação e sem contrapartida alguma desde a década de 1970, por exemplo: transformação de dívidas do setor privado em dívidas públicas a cargo do Bacen; geração de dívida pública para assunção de passivo de bancos (Proer e Proes); diversas operações de refinanciamento e de trocas em condições lesivas ao país; pagamentos antecipados com ágio e, principalmente, juros e encargos abusivos, que provocam o crescimento da dívida como bola de neve. Esses e outros fatos foram denunciados pela CPI da Dívida Pública realizada em 2009 e 2010 na Câmara dos Deputados, e os relatórios, entregues ao Ministério Público Federal.9

 

3. Conclusão

Diante de tantos exemplos de geração de “dívida pública” sem contrapartida real, a exigência de juros elevados sobre obrigações geradas dessa forma torna-se algo ainda mais grave.

O rigoroso ajuste fiscal vem demandando cortes de gastos e de investimentos públicos, privatizações e aumento de tributos que recaem sobre os trabalhadores. Apesar desse sacrifício, a crise econômica está se aprofundando, pois os juros elevados não combatem o tipo de inflação verificado no Brasil e ainda exigem grandes volumes de recursos para alimentar o sistema da dívida.

Assim, o ciclo de alta da Selic tem agravado ainda mais a situação fiscal, afetando toda a atividade econômica do país e provocado enorme lesão aos cofres públicos e à sociedade, além de aumentar de forma exponencial a própria dívida, comprometendo nosso futuro.

É por isso que denunciamos o sistema da dívida e exigimos a realização da auditoria, com participação cidadã.

Maria Lucia Fattorelli é graduada em Administração e Ciências Contábeis. Auditora Fiscal da Receita Federal desde 1982, é coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida e membro do CAIC (Comisión para la Auditoría Integral de Crédito Público) criada pelo Presidente Rafael Correa em 2007.


1    O índice de preço considerado para calcular essa atualização tem sido o IGP, da instituição privada Fundação Getulio Vargas.

2    www.bcb.gov.br/?COPOMHIST

3    Compromissada porque o Bacen tem o compromisso de receber os títulos de volta e devolver o dinheiro para os bancos quando estes desejarem, pagando, evidentemente, os juros correspondentes ao período de duração da operação.

4    Tarifas de preços administrados: energia, telefonia, combustível, transporte público etc.

5    Em razão da sazonalidade e de históricos equívocos da política agrícola no país, que privilegia investimento no agronegócio voltado à exportação de commodities, e não na produção de alimentos.

6    Essa situação está detalhada no Parecer 1/2013, preparado a pedido do Ministério Público Federal. Disponível em: .

7        “Brasil se torna 4º maior credor dos Estados Unidos”, Tribuna HOJE. Disponível em: .

8    BC do Brasil, Estatísticas do Setor Externo – Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimentos (BPM6), Nota Metodológica n.4 – Dívida externa, jun. 2015.

9          Procedimentos Administrativos n. 1.00.000.005612/2010-13 e n. 1.00.000.003703/2012-86.

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador de visitas

Coluna

GEOPOLÍTICA DE UMA NAÇÃO

GEOPOLÍTICA DE UMA NAÇÃO

O que os brasileiros precisam para que a qualidade de vida atinja a maioria? Essa é uma questão antiga que teve diversas propostas desde o “famoso” Barão de Rio Branco. Mas atualmente passado mais de um século dos primeiros projetos de formação da grande nação, nos vemos sem nenhum projeto que faça...

Direita X Esquerda

Direita X Esquerda

O campo político é formado por uma variedade de posicionamentos que representam interesses diversos, que não se resumem as posições da esquerda ou da direita, estes por sua vez se aglutinam em alinhamentos que podemos distribuir em três dimensões clássicas. A distribuição dos alinhamentos políticos...