Schützer Educacional - Pós, Licenciaturas, Extensões, Profissionalizantes

popularização do Dia da Mentira

01/04/2020 08:38

No dia 1o de abril de 1700, ingleses brincalhões começaram a popularizar a tradição anual do Dia da Mentira, pregando peças uns nos outros. Apesar de o dia, chamado de “April Fool’s Day” em inglês, ser celebrado por séculos em diferentes culturas, suas origens exatas permanecem um mistério.

Alguns historiadores acreditam que o Dia da Mentira remonta a 1582, quando a França mudou do calendário juliano para o gregoriano, conforme solicitado pelo Conselho de Trento, em 1563. Pessoas que demoravam a receber as notícias ou para entender que o início do ano tinha passado para janeiro e continuavam a comemorá-lo na virada da última semana de março para primeiro de abril se tornaram alvos de trotes e brincadeiras. Eram colocados peixes de papel suas costas e elas eram chamadas de “poisson d’avril” (peixe de abril), que simbolizava um animal aquático facilmente capturado, ou seja, uma pessoa ingênua.

Historiadores também relacionam o Dia da Mentira a festivais antigos como o Hilaria, que era celebrado em Roma no final de março e no qual as pessoas usavam fantasias. Existe também uma hipótese que o Dia da Mentira estava vinculado ao equinócio de primavera ou o primeiro dia dessa estação no hemisfério norte, quando a mãe natureza engana as pessoas com um tempo mutável e imprevisível.

O Dia da Mentira se espalhou pela Grã Bretanha no século XVIII. Na Escócia, a tradição se tornou um evento de dois dias, começando com o “hunting the gowk”, no qual as pessoas eram enviadas em falsas missões (“gowk” é uma palavra regional para o pássaro cuco, um símbolo da pessoa estúpida), e seguido pelo “Tailie Day”, que incluía brincadeiras com os bumbuns alheios, como colocar rabos falsos ou avisos de “me chute”.

Nos tempos modernos, as pessoas têm feito grandes esforços para elaborar os trotes do Dia da Mentira. Jornais, estações de rádio, canais de TV e sites na web têm participado da tradição do 1º de abril, noticiando fatos ficcionais e escandalosos e enganando sua audiência. Em 1957, a BBC informou que fazendeiros suíços estavam tendo uma safra recorde de espaguete e mostrou imagens de agricultores colhendo macarrões de árvores – vários espectadores foram iludidos. Em 1985, a revista Sports Illustrated pregou uma peça em vários de seus leitores quando publicou um artigo sobre um arremessador de baseball novato chamado Sidd Finch, que podia lançar uma bola a 270 km por hora. Em 1996, a Taco Bell, uma cadeia de restaurantes fast food, enganou as pessoas quando anunciou que havia concordado em comprar o Sino da Liberdade (Liberty Bell), na Filadélfia e pretendia renomeá-lo de Taco Bell Liberty. Em 1998, depois que o Burger King fez uma propaganda do “Left-Handed Whopper” (Whopper canhoto), inúmeros clientes pediram o falso hambúrguer.

History

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
visitas

Coluna

O carioca parece gostar de ser enganado

O que em cidades normais levaria a revoltas populares e processos judiciais, o morador do Rio de Janeiro aceita dando de ombros –  e reelege as mesmas figuras nas eleições, escreve Philipp Lichterbeck. O teleférico do Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio de Janeiro, foi inaugurado em 2011....

A revolução dos bichos" de Orwell: quem são os porcos?

Obra do jornalista e escritor britânico aborda a revolução soviética de forma satírica. Apesar de ter sido escrito nos últimos anos da Segunda Guerra Mundial, romance segue mais atual do que nunca, 75 anos depois. A fábula de George Orwell se passa numa fazenda: "O Sr. Jones, proprietário da Granja...