2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

É assassinado Francisco Pizarro, conquistador do Império Inca

26/06/2018 08:03

Em um dia como este, no ano de 1541, o conquistador da civilização Inca, Francisco Pizarro, então governador do Peru, foi assassinado em Lima por rivais espanhóis. Antes de se tornar conhecido, Pizarro serviu ao conquistador espanhol Alonso de Ojeda durante a expedição para a Colômbia, em 1510, e estava com Vasco Nunez Balboa quando ele chegou ao Oceano Pacífico, em 1513. Após escutar lendas sobre o povo inca e suas riquezas na América do Sul, Pizarro formou uma aliança com o também conquistador Diego de Almagro, em 1524, e eles navegaram novamente para a América. Sua primeira expedição chegou somente até o Equador. Porém, em sua segunda tentativa, ele descobriu que havia realmente evidências sobre a existência do Império Inca. Com ajuda do Imperador Carlos V e a garantia de que ele, e não Almagro, iria receber a maioria parte dos futuros lucros da expedição, Pizarro navegou até o Peru e desembarcou em Tumbes, em 1532. Ele liderou suas tropas rumo às montanhas dos Andes até a cidade Inca de Cajamarca e encontrou com Atahualpa, o rei do império Inca de Quito. Depois de conquistar a confiança do monarca, Pizarro capturou Atahualpa, exigiu uma sala cheia de ouro como resgate por sua vida e, mesmo assim, traiçoeiramente, o matou. Em 1533, a resistência inca foi derrotada quando Pizarro e suas tropas conquistaram Cusco. Pizarro, então governador do Peru, fundou novos povoados, incluindo Lima, e deu o Chile para Almagro como compensação, enquanto reivindicou para si mesmo todas as riquezas da civilização inca. Contudo, Pizarro não cumpriu todas as promessas que fez para Almagro que, em resposta decidiu tomar a cidade de Cusco, em 1538. Pizarro enviou seu meio-irmão, Hernando, para reconquistar a cidade, Almagro foi derrotado e morto. 

History

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador de visitas

Coluna

A LEI PELA LEI DE QUEM?

Na academia discutimos sobre a natureza e fundamentos da lei. Um debate, sem dúvida, filosófico que realizamos no mundo ideal, cuja perfeição nos instiga a reflexões na perspectiva real-ideal. O mundo ideal, perfeito, dos objetivos maiores que os ordenamentos jurídicos apresentam e que refletem os...

A ÚLTIMA FRONTEIRA DO CAPITALISMO NEOLIBERAL – É AQUI

Há dez anos escrevi um artigo sobre a África, onde discorri sobre a ação do capital na porção subsaariana do continente. Os impedimentos de natureza cultural, que apesar do longo período de colonialismo europeu, se constituíam em obstáculos a plena incorporação do continente no capitalismo...