Schützer Educacional - Pós, Licenciaturas, Extensões, Profissionalizantes

Desvendado o grande mistério da longitude na navegação

26/03/2020 09:43

No dia 26 de março de 1762, o grande mistério da longitude foi resolvido quando um cronômetro com orientou com sucesso o navio HMS Deptford de Portsmouth para a Jamaica. Durante grande parte da história, muitas mentes científicas tentaram encontrar um método para determinar a longitude exata, fundamental tanto para a cartografia quanto para a navegação oceânica. No século 3 a. C, astrônomo grego Eratóstenes propôs o primeiro sistema de latitude e longitude para um mapa do mundo. Até o século 2 a.C., Hiparco, um astrólogo e astrônomo grego, propôs um sistema de determinação da longitude, comparando a hora local e absoluto. No século 11, o muçulmano erudito Al-Biruni estabeleceu a moderna noção que o tempo e a longitude estão relacionados ao conceito de que Terra girava sobre um eixo. A partir daí, dezenas de cientistas, de Galileu a Edmund Halley ou Nevil Maskelyne, buscaram um método preciso para determinar a longitude. Encontrar a latitude foi fácil: ela foi calculada usando um quadrante ou astrolábio para determinar a inclinação do sol ou as estrelas gráfico. E determinar a longitude em terra também não foi muito difícil em comparação com a tarefa no mar - em terra, os cientistas tinham uma superfície estável, local confortável e a chance de repetir os experimentos. No mar, os navegadores eram pressionados para saber a sua localização exata longitudinal, o que muitas vezes causava desastres. Quando um erro de navegação resultou em um acidente com o navio Scilly, em 1707, o governo britânico estabeleceu um prêmio de 20 mil libras para quem apresentasse uma solução. Um relojoeiro autodidata chamado John Harrison acreditava que a solução estava em um dispositivo mecânico que poderia ser colocados em navios, quando iam para o mar. Harrison projetou e construiu um complicado relógio marinho, com duas barras interligadas para suportar o balanço de um navio no mar. Em 1737, o dispositivo foi testado em uma viagem a Lisboa. O relógio de Harrison indicava corretamente a posição do navio, mas ele não estava satisfeito. Harrison construiu mais cronômetros marinhos, cada um com maior precisão. Uma cópia de sua invenção foi inclusive levada na viagem do capitão James Cook, entre 1772-1774, e permitiu ao explorador fazer as primeiras cartas sobre as Ilhas do Mar do Sul. Apesar de cumprir os requisitos para ganhar o prêmio, o astrônomo real Nevil Maskelyne não aceitou que o problema da longitude pudesse ser resolvido por meios mecânicos e convenceu o conselho a não entregar o prêmio ao relojoeiro. Filho de Harrison, William pediu ao Parlamento Europeu e até mesmo escreveu ao rei George III, que examinou o relógio. No final, Harrison recebeu um total 14.250 libras durante o tempo em que ficou empenhado na solução dos problemas relacionados à longitude. Em 24 de março de 1776, John Harrison morreu em Londres aos 83 anos. Apesar dos seu invento nunca ter sido padrão para a navegação náutica, seu dispositivo abriu o caminho para a criação das ferramentas modernas de navegação.

History

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
visitas

Coluna

O carioca parece gostar de ser enganado

O que em cidades normais levaria a revoltas populares e processos judiciais, o morador do Rio de Janeiro aceita dando de ombros –  e reelege as mesmas figuras nas eleições, escreve Philipp Lichterbeck. O teleférico do Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio de Janeiro, foi inaugurado em 2011....

A revolução dos bichos" de Orwell: quem são os porcos?

Obra do jornalista e escritor britânico aborda a revolução soviética de forma satírica. Apesar de ter sido escrito nos últimos anos da Segunda Guerra Mundial, romance segue mais atual do que nunca, 75 anos depois. A fábula de George Orwell se passa numa fazenda: "O Sr. Jones, proprietário da Granja...