2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

Cruzador alemão é afundado pelos britânicos na África, na Primeira Guerra

11/07/2018 08:12

O cruzador alemão SMS Königsberg foi afundado em um dia como este, no ano de 1915, durante a Primeira Guerra Mundial, por dois pequenos navios (monitor) britânicos, no Rio Rufiji, na Tanzânia, na África. O Königsberg era um cruzador leve, construído pela Marinha Imperial alemã. Não era um navio próprio para combates, mas a embarcação alemã estava na África Oriental Alemã na época em que eclodiu a Grande Guerra, em agosto de 1914.

Inicialmente, o Königsberg, armado e destinado ao reconhecimento e escolta, tentou atacar os barcos que faziam o tráfego britânico e inglês na região. No dia 20 de setembro de 1914, ele surpreendeu e afundou o cruzador britânico HMS Pegasus, na Batalha de Zanzibar.

Depois, ficou abrigado no Rio Rufiji para reparar seus motores. Porém, antes que os reparos fossem concluídos, dois barcos britânicos encontraram o Königsberg. Como eram incapazes de destruir a embarcação alemã, eles criaram um bloqueio. Depois de várias tentativas para afundar o navio, os britânicos enviaram dois barcos “monitores”, Mersey e Severn, para destruir o cruzador alemão. Em 11 de julho de 1915, as embarcações chegaram perto o suficiente para danificar seriamente o Königsberg, forçando a tripulação a afundar o navio. Os sobreviventes resgataram as armas do cruzador e se juntaram à campanha de guerrilha do tenente-coronel Paul von Lettow-Vorbeck. O Königsberg foi parcialmente desmontado entre 1963 e 1965 para sucata. Os restos do navio afundaram no leito do rio.

History

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador de visitas

Coluna

A LEI PELA LEI DE QUEM?

Na academia discutimos sobre a natureza e fundamentos da lei. Um debate, sem dúvida, filosófico que realizamos no mundo ideal, cuja perfeição nos instiga a reflexões na perspectiva real-ideal. O mundo ideal, perfeito, dos objetivos maiores que os ordenamentos jurídicos apresentam e que refletem os...

A ÚLTIMA FRONTEIRA DO CAPITALISMO NEOLIBERAL – É AQUI

Há dez anos escrevi um artigo sobre a África, onde discorri sobre a ação do capital na porção subsaariana do continente. Os impedimentos de natureza cultural, que apesar do longo período de colonialismo europeu, se constituíam em obstáculos a plena incorporação do continente no capitalismo...