2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

1958: Criação da República Árabe Unida

01/02/2018 09:17

No dia 1º de fevereiro de 1958, Egito e Síria constituíram a República Árabe Unida (RAU), que recebeu a adesão do Iêmen poucas semanas depois. Em 1961, o presidente egípcio Gamal Abdel Nasser anunciou o fim da aliança.

Até meados do século 20, o mundo árabe era visto sob o prisma de sua importância cultural e geográfica. Seus feitos políticos eram praticamente desconhecidos, apesar de terem avançado até a Espanha na Idade Média. A unidade política, entretanto, durou pouco, substituída pela hegemonia do Império Otomano, que durou até a Primeira Guerra.

O sonho de um grande império árabe teve que ceder espaço aos interesses europeus. O Reino Unido já havia açambarcado o Egito em 1882 e concedeu-lhe soberania apenas limitada em 1922. Outras regiões, principalmente a Síria ou o Líbano, sofreram forte influência francesa, enquanto a Palestina teve administração britânica. Os europeus conseguiram – com menor ou maior diplomacia – que as regiões praticamente se desenvolvessem em Estados, mas que continuassem sob sua influência.

Com a independência de alguns países árabes em outras regiões do Oriente Médio, aumentaram os clamores por uma unidade pan-arábica depois da Segunda Guerra Mundial. Um anseio acompanhado da esperança de que uma grande nação árabe poderia libertar os povos do sentimento de fraqueza imposto por cada derrota diante de Israel.

 

Leia mais: DW Brasil

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador de visitas

Coluna

A POLÍTICA, A RELIGIÃO E A NAÇÃO

O embricamento entre política e religião remonta ao início da história do ocidente, quando a instituição teocracia era o sistema político dominante, fundada em inúmeras crenças diferentes e caracterizada pelo politeísmo preponderante. O surgimento do pensamento racional na Grécia Antiga, afastou a...

A LEI PELA LEI DE QUEM?

Na academia discutimos sobre a natureza e fundamentos da lei. Um debate, sem dúvida, filosófico que realizamos no mundo ideal, cuja perfeição nos instiga a reflexões na perspectiva real-ideal. O mundo ideal, perfeito, dos objetivos maiores que os ordenamentos jurídicos apresentam e que refletem os...