2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

1958: Criação da República Árabe Unida

01/02/2018 09:17

No dia 1º de fevereiro de 1958, Egito e Síria constituíram a República Árabe Unida (RAU), que recebeu a adesão do Iêmen poucas semanas depois. Em 1961, o presidente egípcio Gamal Abdel Nasser anunciou o fim da aliança.

Até meados do século 20, o mundo árabe era visto sob o prisma de sua importância cultural e geográfica. Seus feitos políticos eram praticamente desconhecidos, apesar de terem avançado até a Espanha na Idade Média. A unidade política, entretanto, durou pouco, substituída pela hegemonia do Império Otomano, que durou até a Primeira Guerra.

O sonho de um grande império árabe teve que ceder espaço aos interesses europeus. O Reino Unido já havia açambarcado o Egito em 1882 e concedeu-lhe soberania apenas limitada em 1922. Outras regiões, principalmente a Síria ou o Líbano, sofreram forte influência francesa, enquanto a Palestina teve administração britânica. Os europeus conseguiram – com menor ou maior diplomacia – que as regiões praticamente se desenvolvessem em Estados, mas que continuassem sob sua influência.

Com a independência de alguns países árabes em outras regiões do Oriente Médio, aumentaram os clamores por uma unidade pan-arábica depois da Segunda Guerra Mundial. Um anseio acompanhado da esperança de que uma grande nação árabe poderia libertar os povos do sentimento de fraqueza imposto por cada derrota diante de Israel.

 

Leia mais: DW Brasil

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador de visitas

Coluna

Imigrante, por Janderson Lacerda

A casa ficava próxima ao rio Branco em Boa Vista. Era pequena, mas muito acolhedora. A decoração rústica, meticulosamente planejada, criava uma atmosfera aconchegante ao local. O aroma das flores e plantas fundia-se com o cheiro do rio que podia ser avistado da varanda. Após horas de conversas...

FALTA O PATRIOTISMO?

FALTA O PATRIOTISMO?

Estamos vivendo tempos que assustam aqueles que possuem um pouco de equilíbrio e pensamento racional. Não se pode deixar de lado a racionalidade sob pena dos frutos a serem colhidos no futuro serem de má qualidade, com consequente degradação da sociedade. O futuro é um projeto do que se faz hoje,...