2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

1948: Assassinato de Mahatma Gandhi

30/01/2018 08:22

Em 30 de janeiro de 1948, Mahatma Gandhi foi assassinado por um hinduísta fanático. Durante anos, o líder se empenhara com meios pacíficos para que a Índia se tornasse independente.

"A luz se foi de nossas vidas", declarou o então primeiro-ministro da Índia, Jawaharlal Nehru, em 30 de janeiro de 1948, dirigindo-se pelo rádio à nação que se tornara independente apenas alguns meses antes.

O líder Mohandas Karamchand Gandhi, conhecido por Mahatma ("grande alma"), fora assassinado a tiros pelo nacionalista hindu Nathuram Godse. Antigo seguidor de Gandhi, Godse discordava da liberação de recursos financeiros da Índia para o Paquistão, num momento em que os dois jovens países iniciavam sua primeira guerra pela Caxemira.

A morte violenta contribuiu para idealizar ainda mais a figura de Gandhi como "pai na nação". Não há cidade ou povoado na Índia que não tenha um monumento ao homem magro e curvo, portando apenas uma túnica e uma bengala na mão. A questão é se a herança deixada por ele ainda tem algo a ver com a prática política na Índia de hoje.

Na verdade, numa sociedade repleta de conflitos – entre as castas, os grupos religiosos, as etnias, ou simplesmente pobres e ricos –, não há espaço para a ideia da não-violência pregada por Gandhi. Tampouco teve vez a ideia de desenvolvimento que ele defendia, ao estimular o renascimento dos processos artesanais.

Leia mais: DW Brasil

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador de visitas

Coluna

Imigrante, por Janderson Lacerda

A casa ficava próxima ao rio Branco em Boa Vista. Era pequena, mas muito acolhedora. A decoração rústica, meticulosamente planejada, criava uma atmosfera aconchegante ao local. O aroma das flores e plantas fundia-se com o cheiro do rio que podia ser avistado da varanda. Após horas de conversas...

FALTA O PATRIOTISMO?

FALTA O PATRIOTISMO?

Estamos vivendo tempos que assustam aqueles que possuem um pouco de equilíbrio e pensamento racional. Não se pode deixar de lado a racionalidade sob pena dos frutos a serem colhidos no futuro serem de má qualidade, com consequente degradação da sociedade. O futuro é um projeto do que se faz hoje,...