2ª Licenciatura, Pós, Extensão e Cursos

A guilhotina cai pela última vez na França

10/09/2018 07:47

Foi na prisão Baumetes, em Marselha, na França, que a guilhotina foi usada pela última vez, em um dia como hoje, no ano de 1977. Nesta data, ocorreu a execução do imigrante tunisiano Hamida Djandoubi condenado por assassinato.

A guilhotina ganhou fama com a Revolução Francesa, quando o físico e revolucionário Joseph-Ignace Guillotin conseguiu aprovar uma lei exigindo que todas as sentenças de morte fossem realizadas por "meio de uma máquina". Máquinas de decapitação já haviam sido usadas na Irlanda e na Inglaterra e Guillotin e seus seguidores acreditavam que este aparelho proporcionaria uma morte mais "humana" do que outras técnicas como enforcamento e fuzilamento. A máquina de decapitação francesa foi construída e testada em cadáveres no dia 25 de abril de 1792. Um assaltante de estradas foi a primeira pessoa a ser executada na França revolucionária por este método.

O aparelho logo ficou conhecido como guilhotina por conta do seu incentivador e mais de 10 mil pessoas foram decapitadas durante a Revolução, incluindo o rei Luís XVI e Maria Antonieta, que eram, respectivamente, rei e rainha da França.

O uso da guilhotina continuou na França ao longo dos séculos 19 e 20, até sua última execução em 1977. Em setembro de 1981, a França proibiu a pena de morte, abandonando assim a guilhotina para sempre. Há um museu dedicado à guilhotina em Liden, na Suécia.
History

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador de visitas

Coluna

Imigrante, por Janderson Lacerda

A casa ficava próxima ao rio Branco em Boa Vista. Era pequena, mas muito acolhedora. A decoração rústica, meticulosamente planejada, criava uma atmosfera aconchegante ao local. O aroma das flores e plantas fundia-se com o cheiro do rio que podia ser avistado da varanda. Após horas de conversas...

FALTA O PATRIOTISMO?

FALTA O PATRIOTISMO?

Estamos vivendo tempos que assustam aqueles que possuem um pouco de equilíbrio e pensamento racional. Não se pode deixar de lado a racionalidade sob pena dos frutos a serem colhidos no futuro serem de má qualidade, com consequente degradação da sociedade. O futuro é um projeto do que se faz hoje,...