Cursos, Palestras e Materiais de Estudo

Desde 2013, mais de 1 milhão de sul-sudaneses fugiram do país

Desde 2013, mais de 1 milhão de sul-sudaneses fugiram do país

Desde 2013, mais de 1 milhão de refugiados do Sudão do Sul fugiram da guerra civil. Eles atravessaram as fronteiras para Uganda e para outros países vizinhos, impactando significativamente esses lugares.

O Sudão do Sul substituiu a Síria como a crise de refugiados que mais cresceu no mundo no ano passado, de acordo com o relatório “Tendências Globais”, divulgado em junho pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

Segundo o documento, a população de refugiados do Sudão do Sul teve crescimento de 64% durante a segunda metade de 2016. O número de pessoas que atravessou a fronteira em busca de segurança passou de 854,1 mil em 2015 para 1,4 milhão no fim de 2016, sendo a maior parte crianças. Outros 1,9 milhão são deslocados internos.

Uganda e Etiópia estão entre os seis países que mais recebem refugiados no mundo, justamente por conta do agravamento da crise no Sudão do Sul. Os dois países receberam no ano passado 940,8 mil e 791,6 mil refugiados, respectivamente, segundo o relatório do ACNUR.

*Em 9 de julho de 2011, o Sudão do Sul tornou-se um estado independente. Em 14 de julho de 2011. A crise foi intensificada no ano de 2017 após a erupção da mais recente onda de violência entre o governo e grupos da oposição no país. Outra razão para as fugas é a fome causada pela seca.

Leia mais: Por dentro da África

Pesquisar no site

Contato

Herbert Schutzer
contador de visitas

Coluna

ANO NOVO E DISCURSO VELHO

Muito bem caros leitores, chegamos ao ano que podemos julgar os “não-representantes” do povo. Entramos no ano que teremos eleições em todos os níveis, com a exceção do municipal, e apesar de todas as promessas feitas de um futuro melhor, o que assistimos foi o aumento dos preços e,...

Retrospectiva Tupiniquim, Por Janderson Lacerda

Das profundezas dos hades um velho Capiroto foi “teletransportado” para a República Tupiniquim. Ao som de muitas vaias e desaprovação popular é estabelecido o governo jaburu. João Ramalho interrompeu seu estupro matinal por escandalizar-se com o regime de trabalho escravo implementado no jovem...

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!